Artigos

Acompanhe aqui a produção científica de artigos escritos por nossos profissionais.
Nestes artigos você encontra informações relevantes acerca da ciência psicológica.
Leia, são conteúdos que podem lhe ajudar!



Autor do artigo

FAGNER BATISTA MARTINS NUNES DE FARIA - CRP 23/807


Publicado dia 30/11/2017

Emoção, Cognição e Aprendizagem

Nos dias atuais, ainda não se sabe ao certo como se dá o processo de aprendizagem. O que se sabe é que o aprendizado é inerente desde o
nascimento até a finitude da vida humana, apesar disso esse processo é peculiar e difere de indivíduo para indivíduo. Mesmo não tendo informações fidedignas de como acontece esse processo, estudiosos no decorrer da história explanaram e defenderam teses sobre a importância da emoção e da cognição neste processo. Fundamentos embasados por Jean Piaget; Henri Paul Hyacinthe Wallon; Lev Vygotsky dentre outros.

Há professores que não conseguem compreender do por que alguns alunos não conseguem aprender. Normalmente tendem somente a queixar-se do aluno piorando ainda mais a situação! Contribuindo ainda mais para a baixa estima, ansiedade, nervosismo, oposição e hostilidade do aluno. O proceder deveria ser entender o problema que leva a dificuldade do aluno. O professor é protagonista da simplificação do ensino e aprendizado, deve saber utilizar da pedagogia para determinar as possibilidades de intervenção, abarcada a partir do déficit demonstrado em sala de aula pelo aluno. Algo que exige tempo e persistência. Além desses critérios, o professor deve ter conhecimento da estrutura de cuidado e afetividade que a família tem para com o aluno, sempre aspirando por orientar e tentar ajustar a estrutura familiar para que supra a carência deveras organizativa e afetiva da família. Por mais que seu papel teoricamente seja somente o de facilitador do aprendizado, o que indiretamente com esta ação acaba sendo.

A cognição condiz com a capacidade de aprender, alargar, sintetizar e acoplar conceitos já aprendidos, equiparados com a memória, atenção e o
raciocínio lógico, que nos leva ao desfecho da inteligência ou QI (Quociente Intelectual). Toda essa jornada ao conhecimento é acompanhada pela emoção que segundo o dicionário Aurélio conceitua-se como comoção, perturbação moral, agitação de sentimentos, afeto...

O sujeito pode abster-se de uma cognição favorável, mas, sem a emoção que aloca por conseqüência a motivação na construção do
conhecimento, o mesmo não terá sucesso. Sem o desejo, a motivação, o cuidado, o carinho, a persistência de nada adiantara para a construção do aprendizado.

Estudos feitos por Passos (2015, p.54) elencam que a inteligência (QI) Quociente Intelectual é responsável somente por 20% pela construção
do conhecimento, já o senso de responsabilidade abrange os 80% restante, incumbência intimamente conectada à emoção, ou seja, ser responsável pelos (atos ou verbalizações) de forma positiva ou negativa.

Em adição a isso, algo muito exposto na mídia e na literatura atualmente é a inteligência emocional, que reflete sobre as resoluções
emocionais, a compreensão, a clareza algo extremamente importante para o sucesso acadêmico e posteriormente ao sucesso profissional e financeiro.

O que moldam toda essa maturidade ou inteligência emocional, em tese é a família e o meio social, os estímulos ou experiências vivenciais
impulsionados por essas esferas ambientais possibilitam a centralidade, equilíbrio emocional. Um ambiente que disponibilize proteção, cuidado, afeto, discernimento moral, disciplina e educação podem desencadear e maturar a inteligência emocional. Caso contrário! O processo de ensino e aprendizado ficara disfuncional, acarretando a dificuldades nos processos de aprendizado.

Bibliografia:
Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 5ª Edição. Editora Positivo. Janeiro de 2014.

FARIA, Grazyelle Iaccino. Afetividade na Sala de Aula. O olhar walloniano sobre professor e o aluno na educação infantil. Goiânia 2010.

GOULART, Iris Barbosa. Piaget Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor. Editora Vozes, Petropoles 2011.

O Dia do Professor: como se preparar para os desafios da sala de aula/Nova Escola – 1. Ed. – Rio de Janeiro. São Paulo 2014.

PASSOS, Marileni Ortencio de Abreu. Fundamentos das Dificuldades de Aprendizagem. Editora: Fael, Curitiba 2015.



Copyright © 2017 - Clínica Psicocenter. Todos os direitos reservados
Termos de Uso